segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Reinício...




Deus era alguém que eu beijava à força, parecia que eu o forçava ficar perto de mim, eu até me enganava acreditando que ele estava perto de mim, mas a gente não força ninguém gostar de ficar perto da gente, isso tem que ser natural.

Aí Deus passou a ser para mim um cara que ficava por perto quando eu parava de pensar em coisas sensuais e pecaminosas.

Depois de um tempo ele passou a ser mais próximo e eu comecei acreditar que a gente poderia ser amigo, me apaixonei por Deus e não queria mais nada a não ser ficar trancado no quarto com ele, valeu muito pela renúncia.

A paixão ficou doentia e não queria dividi-lo com mais ninguém, até pensei que sua opinião só era dividida comigo, Deus se tornou uma obsessão.

Já acreditava em uma só maneira de ficar com ele. Eu me perturbava quando não fazia o nosso encontro padrão. Meu jeito de encontra-lo virou uma perturbação.

Cresci, a perturbação e a obsessão deram lugar a preocupação intensa, mas nada de obsessão (um amante moderado) só que isso foi passando e eu não me perturbava mais em ficar um dia longe dele, achei que eram tudo coisas da maturidade, coisas que acontecem quando a gente se casa e vira homem, mas me reencontrei com um menino abandonado nas ruas espirituais, regredido em dignidade de amor, na amizade com Deus, no meu limite do distanciamento.

Não sabia de nada, mas sabia falar com ele. Raramente sabia ouvi-lo, mas isso era melhor que não saber nenhum dos dois. Era apenas um surdo em tratamento, por minha indiferença tornei-me mudo e agora sinto minha visão se escurecer também.
Espero que Deus também tenha doutorado em fonoaudiologia para me ajudar reabilitar.

Agora me lembro arrependido do pedido que fiz a ele e eu mesmo tratei de realizar. Perder o que aconteceu entre a gente para poder começar tudo novamente, de uma maneira que entendia correta e que agora nem sei se é mais.

E agora, o que vou fazer? Estou no reinício que começou em meu desmoronamento...

Daniel Babugem

5 comentários:

Thiago Mendanha disse...

Cara, desconstruir sempre é muito mais fácil e até prazeroso... mas, começar do zero depois não é brincadeira mesmo...

ótimo texto priiimo!

Fernanda Costa Lacerda disse...

Nossaa primo, que texto show em!!!!
expressão maravilhosa de um relacionamento com Deus , sempre em revolução... desconstrução...
show msm, ameeei.

um abraço!

Lindoélio Lázaro disse...

Mooooooooooçooooooooooo!!!
FDEFDEFDEFDEFDEFDEFDEFDE!!!! kkkkk!!!
Lindo o texto mano! Temos que nos encontrar para levarmos um papo, botar umas fofocas em dia e discutir um pouco sobre essa tal de "revolução", rsrsrs...
Um abração, brother!

deuseamenina disse...

Nossa... foi das melhores coisas que eu li essa semana! Parabéns!

Bia - Deus e a Menina

Anônimo disse...

Ao falarmos de Deus, as pessoas a compreende de tantas formas né. Se
ria interessante começarmos do zero
para aprendermos a valorizar real mente o que nós temos ou ñ temos a acreditar deste nosso pai, diante a sua luz de sabedoria.
Podemos ter o direito iguais,mes mo ñ ouvindo, vendo e sentindo de conversa c/ele e aprecia-lo atra vés dos mais simples acontecimentos
da vida.
A conversa é uma comunicação ma ravilhosa e ao mesmo tempo um remé dio que cura toda as mágoas do ser.
A Fonoaudiologia é apenas um mero detalhe criado pelo homem sobre a enorme bença cedida sobre a nossas cabeças.
Victor