sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Zé, um grande homem de deus!




O Zé era um cara super de boa, bacana, feitor do correto e bem aceito pelos amigos do condomínio dos bloquinhos verdes numa cidade lá de Goiás!
Agora, pare e pense comigo num cara que amava a namorada! Pensou num tanto bem grande?! Mas, agora triplica... Triplicou?! Então..., ainda não é o tanto do respeito e paixão que o Zé tinha por sua amada! Eles pretendiam e se casariam virgens! Que coisa linda!
Então, ele está noivo e às vésperas do casamento, faltam somente 2 semanas, a ansiedade e a alegria são enormes!
O grande dia chega, eles se casam vão para as bodas e namoram muito como sempre namoravam! Isso mesmo, não pense besteiras, só beijo na boca, porque a moça está menstruada e por princípios de berço, sabe?, eles não transaram... Não querem se tornar impuros, pensaram!
Voltaram para casa, Zé foi compreensivo e aguardaria o ciclo menstrual findar-se para então “metê”, ops, ele diria: “relacionar-se sexualmente com sua amada, ou desposa-la de seu leito de pureza!”
O ciclo menstrual termina num belo domingo por volta das 19 horas quando então aparece a solução de todos os problemas da vida de Zé e seu relacionamento, aparece seu grande amigo chegado dos tempos de escola, um cara que Zé acreditava ser o melhor e muito melhor que ele, seu mano, o RICARDÃO! Naquele domingo à noite, com uma linda canção cantada por um cara de voz sussurrada, emotiva e sex com um violão, Zé gritou bem alto, com lágrimas nos olhos e prostrado perante o Sagrado Ricardão: COME E TREPA NA MINHA MULHER PRA MIM!

FIM
(mas continua acontecendo todo domingo pelo menos)

P.S. Foi exatamente assim que me senti quando descobri aos 18 anos que a religião é um RICARDÃO ESPIRITUAL e que nunca precisei dela para me relacionar com meu Deus!

Daniel Babugem

3 comentários:

Thiago Mendanha disse...

Tira o Ricardão do armário da Religião... kkkkkkkk

Boa, cara...

Lindoélio Lázaro disse...

kkkk... Você é muito palhaço mesmo!
Não sei não... Isso não tem o menor traço e amor a nada; é imoral, razo e idiota demais!!!
Fugir dos moldes religiosos não tem nada haver com "fazer e dizer tudo o que é lícito", mas recapitular o que convém e o que não convém. E, cá entre nós, palavras que não edificam devem ser o motivo da poda da lingua. Revolucionar um mundo, uma historia, uma vida, só compensa se a motivação for o real amor. Quando você desconsidera isso nas suas palavras, no seu espaço, você entrega à demência os seus sentidos.
Desculpe a crítica... Isso é blog... Fala o que quer...
Um abraço!

Thiago Mendanha disse...

Priiimooo... vai um selinho aí pra você, olha http://thiagomendanha.blogspot.com/2008/10/prmio-borboleta.html